Serenata Nocturna_W.A.Mozart

Friday, November 24, 2017

Filmografia de Miguel Franco

O CRIME DE ALDEIA VELHA



Filmografia de Miguel Franco

(14.04.1918-1988)




Ano
Título
Realizador
Papel





1958
O Tesouro
António Campos


1959
O Senhor
António Campos





1964
O Crime de Aldeia Velha
Manuel Guimarães
Regedor

1964
O Triângulo Circular
Pierre Kast


1965
Domingo à Tarde
António Macedo
Médico Oncologista

1965
O Trigo e o Joio
Manuel Guimarães
Alabardeiro

1969
O Cerco
António da Cunha Telles
Vítor Lopes
1972
Lotação Esgotada
Manuel Guimarães


Augusto Severino (Vice-Presidente da Câmara Municipal de Casconha)

1975
O Motim
Correia Alves


1976
Reina a Tranquilidade
Peter Lilienthal



1976
Peter Lilienthal filma em Setúbal
António Macedo
Actor Miguel Franco


1976
The Assignment
Mats Arehn
Larrinaga's Murderer (O Assassino de Larrinaga)

1977
A Fuga
Luís Filipe Rocha
Chefe dos Guardas Rosa



1978
O Rei das Berlengas - ou a independência das ditas
Artur Semedo
Chefe do Estado-Maior da Força Aérea


1980
A Culpa
António Vitorino d'Almeida
Deputado Caeiro

1980
Manhã Submersa
Lauro António
Senhor Capitão


1983
Vidas
António da Cunha Telles
Inspector Veiga










Comentário
Analisando a filmografia do Miguel Franco posso tirar várias conclusões: a sua vinda para o cinema profissional  deve ter passado pelo

Bernardo Santareno que o conhecia pelo seu trabalho de dramaturgo encenador e actor.

O produtor do filme do Kast em Portugal foi António da Cunha Telles e uma boa parte do elenco de O Crime de Aldeia Velha

passou para esta co-produção internacional.


A passagem para o filme do António Macedo é feita através do José Carlos de Andrade que foi assistente de realização, confirmando-se que

nos filmes posteriores do António Macedo, em que o José Carlos Andrade já não trabalhou, não aparece o nome do Miguel Franco.

A passagem para os filmes do António da Cunha Telles é feita através do conhecimento que o António da CunhaTelles tivera do

Miguel Franco por ter produzido os dois filmes anteriores do Manuel Guimarães.

Miguel Cardoso sugere-o a Peter Lilienthal para o seu filme rodado no ano quente de 1975 em Setúbal sobre o golpe do Pinochet no Chile.

Para o filme sueco é sugerido por Miguel Cardoso (produtor executivo para Portugal) ao realizador Mats Arehn,.

Luís Filipe Rocha convida Miguel Franco para o seu primeiro filme, A Fuga, pois trabalhou com ele no filme do Peter Lilienthal

em que era assistente de realização.


Chegou a estar escolhido para entrar no filme de Eduardo Geada, A Santa Aliança, mas, por ter adoecido,foi substituído à última hora.

O Artur Semedo conhecia-o da Lotação Esgotada do Manuel Guimarães e, como O Rei das Berlengas tinha uma grande parte da acção

filmada no Castelo de Leiria, logo pensou nele para um dos papéis.

A passagem para o filme do Vitorino d'Almeida deve-se a que o filme tenha tido uma primeira fase de preparação no  Gabinete de

Produção do Henrique Espírito Santo onde estava Miguel Cardoso.


A passagem para o filme do Lauro António, Manhã Submersa, deve ter-se dado pela relação estreita que o Lauro tivera com o

Manuel Guimarães, nomeadamente durante a produção de Lotação Esgotada e até à sua morte.




Outros créditos






1975
O Motim
Correia Alves
Argumentista
1987
O Motim
Ângelo Peres
Peça original




23.11.2017


Miguel Cardoso (cineasta)

Thursday, October 12, 2017

MIGUEL FRANCO ACTIVIDADE DE DIVULGAÇÃO CULTURAL EM LEIRIA ANOS 70

https://arquivos.rtp.pt/conteudos/joao-de-freitas-branco-em-leiria/#sthash.s1l50ZQz.lFmvBAnX.dpb

MIGUEL FRANCO


https://pt.wikipedia.org/wiki/Miguel_Franco
Miguel Franco (Leiria1918 — 1988) foi um actorencenador e dramaturgo português.
Miguel Franco desenvolveu o teatro na sua cidade natal, através da recriação do Grupo de Teatro Miguel Leitão, de que foi diretor e encenador. A partir de 1950, com a apresentação, por todo o país, da peça Tá-Mar, de Alfredo Cortez, o Grupo de Teatro Miguel Leitão passa a destacar-se na dinâmica do teatro amador em Portugal, sendo ainda de destacar a divulgação das obras de Gil Vicente, um pouco por todo o país. Depois, ainda com Franco como encenador, o Grupo montou a peça de Bernardo SantarenoO Duelo, cuja estreia seria impedida pela censura.
Sobre o Grupo Miguel Leitão e Miguel Franco assinala-se ainda o facto de levar o teatro para fora das salas habituais, criando representações ao ar livre, e em festivais de verão, começando pela sua região, onde recriou ao modo vicentino A Farsa de Inês Pereira, apresentada no Castelo de Leiria, no claustro do Mosteiro de Alcobaça e no Convento de Cristo, em Tomar.
Como dramaturgo, Miguel Franco é considerado o mais importante da década de 1970, na categoria da chamada Dramaturgia Histórica, segundo a História do Teatro em Portugal, de Luiz Francisco Rebello. Da sua obra fazem parte O MotimA Legenda do Cidadão Miguel LinoO Capitão de NaviosVisita Muito Breve, tendo deixado várias obras por terminar, de que se destaca Leonor Fonseca Pimentel.
Ator de cinema a partir da década de 1960, participou em cerca de dez películas, nomeadamente Crime de Aldeia Velha (1963), O Trigo e o Joio (1964) e Lotação Esgotada (1972), de Manuel GuimarãesDomingo à Tarde (1966), de António de MacedoO Cerco (1970) e Vidas (1984), de António da Cunha TellesA Fuga (1976), de Luís Filipe RochaO Rei das Berlengas (1978), de Artur Semedo, e Manhã Submersa (1980), de Lauro António  entre outros referidos na Filmografia pesquisada por Miguel Cardoso (cineasta).
Ainda em Leiria, criou no Ateneu Desportivo de Leiria, de que era igualmente diretor, um espaço de conferências a que chamou Sexta-feira à Noite, no qual intervieram entre outros Bernardo SantarenoRogério Paulo ou Luiz Francisco Rebello. A edilidade local viria a atribuir o seu nome ao Teatro Miguel Franco, equipamento cultural construído em 2003, nas instalações do velho Mercado de Sant'Ana.
A sua última entrevista para a televisão foi feita por Jorge Listopad, a 19 de Fevereiro de 1988, na RTP1.


Thursday, April 14, 2016

Editora e Revista Todas as Musas: Homenagem ao aniversário de Miguel Franco

Editora e Revista Todas as Musas: Homenagem ao aniversário de Miguel Franco: Os poetas não vêem sentem e o que sentem (...) é a essências das coisas/ escondida/ atrás das aparências. (Poesia, do livro Q...

Monday, March 23, 2015